HIM // ELE
27.07.2018

Oi gente 🙂

Esse mês a editora Paralela anunciou que lançaria Him, o alvoroço nas redes sociais foi intenso e eu não me aguentei e li em inglês. Vocês vão concordar comigo quando digo que não é muito comum encontrar na lista dos mais vendidos, um romance cujo os protagonistas  são gays.

Confesso que já estava entediada dos romances de sempre e achei que talvez seria a oportunidade perfeita para fugir da mesmice.

Sobre o livro

Ryan Wesley e James Canning são amigos desde adolescentes, mesmo que se encontrassem somente no acampamento de verão, uma vez por ano, eles sempre mantiveram contato quando cada um voltava pra sua cidade de origem. Até que quatro anos atrás, Jamie e Wes cruzaram uma linha e depois nada mais foi o mesmo. Acontece que agora eles terão que se encontrar, pois ambos são atletas de Hockey e seus times vão se enfrentar. É a oportunidade perfeita para colocarem as cartas na mesa e porque não reviverem um verão intenso?

O que eu achei

Eu gostei da premissa, por mais clichê que seja: amigos que fazem algo “proibido”. Nesse lado, Wes pensa mais no assunto que Jamie. É Wes que foge e dá pra entender porque ele se sente inseguro, só que no decorrer da trama ele sempre tá pensando demais e às vezes, o achei paranoico.

Eu amo o Jamie e adoro o fato de ele ser bissexual, é muito legal a gente acompanhar o  processo de reconhecimento dele, principalmente porque temos a mania de rotular as pessoas de gay ou hétero, sendo que há muito mais orientações além dessas.

Eu tinha dito que ele havia agido como um idiota. Mas é mentira. Sou eu quem está apaixonado pelo melhor amigo e finge o contrário.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

O livro é recheado de cenas de sexo, talvez por isso eu tenha achado que deixou de passar uma mensagem mais efetiva. Eu estava consciente do teor erótico, só não esperava a frequência exacerbada. Mesmo assim, eu curti ler, foi uma história bem rápida e cativante
ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ
Eu não sou gay, então talvez não seja a pessoa mais adequada para falar sobre isso, mas acho que as escritoras escorregaram em alguns aspectos, por exemplo, os personagens deixam de ser desenvolvidos em prol das cenas de sexo e como o esteriótipo de gay machão é esfregado na nossa cara o tempo todo.

Ainda bem que Jamie não é um guarda de trânsito, porque ele está mandando sinais confusos o bastante para causar um acidente feio.

Eu nem ia ler a continuação chamada Us, mas me disseram que vale mais a pena. Então vamos lá. Daqui uns dias espero voltar com uma nota um pouco melhor.

Autor: Elle Kennedy e Sarina Bowen Ano: 2018 Páginas: 256 Editora: Paralela Nota:3/5

INFINITO + UM
26.07.2018

Oi gente! Estou super empolgada para falar sobre esse livro que tenho na estante desde 2015 e não sei porque nunca tinha lido, pois já conhecia o trabalho da escritora de Beleza Perdida e amava!

Vou ser muito cautelosa para não dar spoilers porque Infinito + Um é cheio de truques que fazem a gente se apaixonar pelos mínimos detalhes da história.

A história

Vocês já ouviram falar em Bonnie e Clyde, o casal de ladrões apaixonados que morreram de forma trágica? Então essa história de amor real e perigosa é contada paralelamente a história de Bonnie Rae Shelby e Finn Clyde.

Bonnie é uma pop star muito famosa, mas está perdida e acha que quer morrer. Já Finn é um zé ninguém, mas não um zé ninguém qualquer. Ele é um gênio da matemática.

Estranhas circunstancias (muito estranhas mesmo e é ai que mora a magia da história) juntam o garoto que quer esquecer o passado e a garota que não consegue enfrentar o futuro.

Eles viajam por ai tendo só um ao outro, se divertido, causando problemas e ajudando quem precisa <3

O que eu achei

Esses dias eu estava procurando uma tag para responder, eu devia dizer qual a minha cena de beijo favorita, mas não consegui pensar em absolutamente nenhuma e isso me deixou muito triste. Senhoras e senhores, informo-lhes que esse problema foi solucionado. O primeiro beijo de Bonnie e Finn me tirou o fôlego.

Finn é fácil de gostar, me apaixonei.  Ele é silencioso, mas sempre diz as coisas certas, o passado dele é sombrio e ele não gosta de pensar sobre isso, adoro a mistura de bom moço com rebeldia. Ele é um personagem delicadamente apaixonante.

Bonnie é atrevida, ácida, mas tem o coração do tamanho do universo. Amei ver o crescimento dela no decorrer da trama.

Meu personagem favorito é o William! Adoro todo o misticismo doido dele e me diverti muito. Afinal, como não amar quem acredita em Bonnie e Clyde? 😉

Trechos

O tempo pode curar todas as feridas, mas não é nenhum cirurgião plástico.

Que tal isto para uma equação? Bonnie mais Finn é igual a um grande picolé.

A tatuagem é uma lembrança de que as escolhas feitas no desesperoo quase sempre são escolhas ruins.

A voz de Deus não era como água correndo, era o silêncio.

O infinito é um número imaginário?

Quem é o gênio agora?

Infinito + Um

Autor: Amy Harmon Ano: 2015 Páginas: 336 Editora: Verus Nota: 5/5

FREE CURLS – THE BEAUTY BOX: O QUE EU ACHEI?
24.07.2018

Oi gente, hoje vou falar o que achei da linha Free Curls que comprei em março quando fui em Uberlândia e dei a sorte de encontrar tudo com 50% de desconto, foi um achadão.

A primeira coisa que me chamou atenção foi a embalagem fofa (tem até o nome das pessoas que manipularam o produto!), depois foi o cheirinho. Nossa, eu sou péssima pra distinguir cheiro, mas é docinho, acho que baunilha e um pouco floral e o melhor: gruda no cabelo.

E foi assim que eu sai com a linha completa: o shampoo, condicionador, máscara, creme para pentear e sérum.

Shampoo

O shampoo faz bastante espuma, é muito cheiroso e não embaraça os fios e por esse motivo eu já fiquei com a sensação boa de que meu cabelo estava mais hidratadinho. A embalagem que comprei foi a de 300g e tá durando bastante.

Condicionador

O condicionador não pesa o cabelo e o deixa bem macio, cumprindo bem a promessa da embalagem. O cheirinho de baunilha dele é um pouco mais forte. A embalagem também é de 300g.

R$ 39,90

Máscara

A máscara de hidratação não é aquelas super potentes, é só aqueles três minutinhos do dia-a-dia mesmo, mas sinto que faz diferença quando uso. A embalagem da máscara é de 200g e achei a durabilidade muito baixa porque ele é um produto grosso.

R$ 39,90

Creme de pentear

A embalagem de 150g faz muita diferença nos meus fios. Eu uso uma quantidade razoável e meus cachos ficam lindos, definidos e sem frizz, ou seja, ativa mesmo! Pena que vem pouco produto :/

R$ 34,90

Sérum

O sérum é como se fosse um oleozinho, mas não deixa o cabelo engordurado (yes!), reduzindo o frizz e deixando um cheiro muito bom nos fios. A embalagem de 80g rende muito!

Considerações finais

Eu gostei demais, não lembro quanto paguei nisso tudo, mas lembro que não deu R$100,00 (!!!!) por isso achei o custo beneficio bem interessante. Os preços listados acima estão atualizados de acordo com o site.

Apesar de achar as embalagens da máscara e do creme de pentear muito pequenas, recomendo mesmo assim. Mas caso você não queira, acho que só o shampoo e condicionador fazem o serviço.

O cabelo fica com aspecto bonito e muito cheiroso. Se joga!

MUDAR PARA MELHOR SEMPRE!
23.07.2018

Esse post era para falar sobre o layout novo, mas virou uma salada mista e resolvi colocar umas fotos pra dar um up.

Em agosto eu faço vinte e seis anos, começo minha graduação em jornalismo e o blog faz quatro anos. Muita coisa para ser comemorada e assim como sempre acontece quando meu aniversário está chegando, reflexões vem com força total.

O Blog

Me entristece um pouco as afirmações de ninguém mais lê blogs, tá todo mundo no instagram e no youtube. Bom, eu leio blogs e amo. E não tenho a mínima intenção de abrir mão desse espaço, mesmo porque eu sou minha leitora número um.

Logo eu que sou conhecida por não levar as coisas a sério por muito tempo, cá estou há quatro anos pra provar que sim, eu levo a sério as coisas que eu amo.

O blog tem vários objetivos, eu não sigo um nicho especifico, mas funciona pra mim. Amo postar coisas do meu interesse e que às vezes são complicadas de serem encontrados por ai.

Esse ano, esse espaço deixa de se chamar Antes das Cinco e agora atende pelo minha assinatura: Luma Nunes. Mantive a minha paleta de cores favorita: amarelo, cinza, branco e preto, caso você esteja se perguntando, a letra do cabeçalho é minha mesmo.

A faculdade

Quando falo que irei começar fazer jornalismo as pessoas dizem que é a minha cara e logo dão um sorriso amarelo ao lembrar de que jornalismo não é lá uma faculdade que abre muitas portas, mas ok. To dentro.

Mesmo assim, a faculdade tem me assustado… Eu trabalho, sei que jornada dupla não é fácil, mas preciso tentar antes de querer desistir de qualquer coisa. Torçam por mim.

O Bullet Journal

Estou há dois anos fazendo bullet journal (haters, vcs estão sem credibilidade agora) e pretendo continuar porque é uma terapia e tanto! Porém os vídeos vão parar. Não estou satisfeita com o formato atual e pra melhorar vou precisar de tempo, equipamento e outras coisas que são meio que impossíveis agora.

É isso gente, só um post maluco com fotos bonitas. Beijos e até a próxima.

Adoro Roses – Quem Disse, Berenice?
12.07.2018

Oi gente, nunca vim falar sobre makes com vocês, né? Eu amo me maquiar e vivo no youtube em busca de tutoriais para me aperfeiçoar. Ano passado, a Quem Disse, Berenice? lançou a paleta de sombras Adoro Neutros, eu gostei muito (querem que eu fale sobre ela?), então não tive dúvidas de que queria muito a paleta desse ano: Adoro Roses.

A Paleta

A paleta de doze cores composta por (adivinha) tons rosa, vem com três tipos de sombra: acetinada (as mais brilhosas), mate (totalmente sem brilho) e metálica (efeito brilhoso com aspecto cremoso).

Minha Opinião:

Eu não entendo muito de maquiagem, mas consegui sentir uma diferença bem bacana entre a Adoro Neutros e Adoro Roses. A Roses é mais pigmentada e a aplicação bem mais fácil.

Fiz uma make pra mostrar pra vocês que dá pra fazer uma maquiagem bem legal usando só a paleta.

    Make usando só a paleta Adoro Roses   //   Make com delineador e pele feita

Na compra da paleta eu ganhei um cartãozinho pra eu agendar uma maquiagem na loja, um demaquilante aquoso que limpa direitinho produtos que não são a prova d’água e um esmalte lindíssimo:

E é isso pessoal. Como disse não manjo muito de maquiagem, mas às vezes sinto falta de ter uma pessoa leiga como eu falando sobre essas coisas. Vocês gostaram? Estou pensando em ensinar essa make simplinha no stories do insta. O que vocês acham?

Beijos e até a próxima.

 

Supernormal
08.07.2018

Três coisas chamaram minha atenção na hora de ler Supernormal: a capa, os quotes que a editora divulgou no insta e o tema. Eu estava conversando uma amiga dias atrás e em certo momento entramos no assunto sobre o que era cis, identidade de gênero, orientação sexual e estávamos afiadas. Em certo momento ela comentou que um colega de classe não sabia o que era cis e isso me deixou pensativa: como toda essa informação chega até a gente?

O livro

Quando criança, Beto tinha um melhor amigo chamado André. Anos depois, Beto é um advogado em ascensão e tudo vai muito bem, obrigado, até ele reencontrar André, ou melhor, Helena. Seu melhor amigo de infância é uma mulher trans e isso faz com que Beto reveja todos os seus conceitos.

Beto é um pouco dramático e confesso que por muitas vezes o estilo de escrita me incomodou, mas o x da questão era exatamente esse: Supernormal veio para cutucar.

Minha Opinião

Fiquei desconfiada quando o Pedro Neschling (sim, o ator!), homem hétero, escreveu um livro sobre pessoas trans, sendo que esse não é o seu lugar de fala. Contudo, me senti bastante contemplada pelos assuntos abordados, mesmo que de forma superficial (o livro tem 200 páginas, galera).

A linguagem é simples e me despertou interesse para buscar mais. Representatividade importa e acho que tornou a informação um pouco mais acessível.

Queria que a infância dos dois tivesse sido mais explorada e em alguns pontos senti um certo tom de generalização. Senti falta de alguns desfechos e também acho que ele abordou assuntos paralelos e por isso acabou falando um pouco sobre tudo superficialmente, sendo que poderia ter focado e trabalhado melhor no tema principal.

Além de abordar a transexualidade e dentro desse nicho: a cirurgia transicional, identidade de gênero e orientação sexual, também há referências ao feminismo e violência doméstica.

O Pedro incluiu muitas músicas e descrições de looks, o que me agrada bastante pois é algo muito presente na escrita dos brasileiros. Eu torcia pro livro ser mais profundo, mas acho que já é um começo.

Supernormal

Autor: Pedro Henrique Neschling Ano: 2018 Páginas: 200 Editora: Paralela Nota: 4/5

Na Minha Estante: Lidos / TBR / Wishlist
02.07.2018

Lidos em junho

Supernormal ♥♥♥♥

Esse nacional foi uma leitura muito rápida, afinal o livro só tem 200 páginas e conta a história de Beto, que quando era criança tinha um melhor amigo chamado André. A vida acontece e eles ficam muitos anos sem se ver, quando se reencontram, André não é mais um garotinho. Ele se chama Helena, uma mulher trans.

Em Pedaços ♥♥♥♥

Eu tava doidinha pra ler esse romance, é da mesma escritora de Mais Que Amigos. Olivia tem NYC aos seus pés, por isso as pessoas estranham quando ela tranca a faculdade para trabalhar como cuidadora de um veterano de guerra. Paul não etá nada contente com isso, ele tem muitos traumas e prefere ficar sozinho, mas de um jeito ou de outro, eles não conseguem se afastar.

Cracked Kingdom ♥

O quinto livro da série Royals e o segundo focado no Easton. Ai gente, sinceramente não sei porque ainda to dando corda pra essa série, mas vamos lá. A Hartley perdeu a memória e tem muita gente se aproveitando disso e a história é basicamente isso, ela tentando recuperar suas memórias e o Easton tentando ajudar.

Him ♥♥♥♥

Him livro vai ser lançando agora no Brasil, pela Paralela, como Ele, eu não me aguentei e fui ler. É um romance LGBT que conta a história de Wes e Jamie, dois jogadores de Hockey. Eu gostei, achei meio raso, mas a escrita me cativou e é bem erótico.

Sr. Daniels ♥♥♥♥♥

Eu não sei se vocês sabem, mas esse é apenas o meu livro favorito, e sim, eu nunca resenhei ele aqui. Estou disposta a mudar isso muito em breve, nem vou falar nada sobre agora kkk.

 

Para ler em julho

Disgrace

Foi lançado em inglês dia 28 e conta a história de Grace, uma mulher que não acredita mais no amor depois de o marido a deixar por outra mulher, e Jackson que não acredita em compromissos. É uma história sobre corações partidos e eu to só esperando meu emocional melhorar pra começar rs.

Para Todos Os Garotos Que Já Amei

Eu ganhei esse livro há um tempão e agora que saiu o trailer fiquei com vontade de ler. Lara Jean guarda cartas de amor não enviadas, cinco delas. Só que essas cartas acabam sendo enviadas aos seus remetentes sem querer. Já entenderam, né? Delicinha demais.

Sol Em Júpiter

Já tô há dois meses tentando ler esse livro, ele é nacional e tô sentindo que agora vai! Sol é uma digital influencer com a vida perfeita, mas será? Quando ela conhece Júpiter, seu mundo balança e ela descobre que nem tudo é aquilo que a gente pensa que é.

O Ódio Que Você Semeia

Acho que essa vai ser a leitura mais poderosa do mês, é o escolhido do clube do livro e vai ter filme também. Starr presenciou o melhor amigo ser assassinado na sua frente, o motivo? A cor da sua pele. O livro mostra Starr tentando encontrar sua voz estando em um sociedade racista.

 

Wishlist

Tarde Demais

Eu já li em inglês e amei! É o novo lançamento da Colleen Hoover pela editora Record.

Us

A continuação de Him ♥

 

E ai gente, o que vocês me contam? Quais são as metas de leituras de vocês? Vocês já leram algum desses livros?

Beijos e até a próxima!

Clube do Livro #3: Fahrenheit 451
24.06.2018

No Clube do Livro do mês passado nós lemos Fahrenheit 451. Escolhemos por causa do dia do Orgulho Nerd e também pela estréia do filme. Investimos em um jantarzinho árabe e entre risadas discutimos esse clássico. A curiosidade é que Fahrenheit 451 é a temperatura exata em que um papel pega fogo.

Os bons escritores quase sempre tocam a vida. Os medíocres apenas passam rapidamente a mão sobre ela. Os ruins a estupram e a deixam para as moscas. Entende agora por que os livros são odiados e temidos? Eles mostram os poros no rosto da vida.

Sinopse

Imagine uma época em que os livros configurem uma ameaça ao sistema, uma sociedade onde eles são proibidos. Para exterminá-los, basta chamar os bombeiros que agora são os responsáveis pela manutenção da ordem, queimando publicações e impedindo que o conhecimento se dissemine como praga.

Para coroar a alienação em que vive essa nova sociedade, as casas são dotadas de televisores que ocupam paredes inteiras de cômodos, e exibem “famílias” com as quais se pode dialogar, como se estas fossem de fatos reais.

Este é o cenário em que vive Guy Montag, bombeiro que atravessa séria crise ideológica. Sua esposa passa o dia entretida com seus “parentes televisivos”, enquanto ele trabalha arduamente. Sua vida vazia é transformada quando ele conhece a vizinha Clarisse, uma adolescente que reflete sobre o mundo à sua volta e que o instiga a fazer o mesmo.

O sumiço misterioso de Clarisse leva Montag a se rebelar contra a política estabelecida, e ele passa a esconder livros em sua própria casa. Denunciado por sua ousadia, é obrigado a mudar de tática e a buscar aliados na luta pela preservação do pensamento e da memória.

Um clássico de Ray Bradbury, “Fahrenheit 451” é não só uma crítica à repressão política mas também à superficialidade da era da imagem, sintomática do século XX e que ainda parece não esmorecer.

Bárbara

O que mais me chamou a atenção em Fahrenheit 451 foi o fato de ter sido escrito em meados dos anos 50, abordando uma realidade distópica que se passaria no futuro e mesmo assim me identificar tanto com ela. Não é difícil perceber que a alienação causada pela tecnologia e total falta de profundidade nos relacionamentos é um fato já observável nos dias de hoje, e foi bem triste me dar conta de que apesar de não vivermos em uma sociedade em que livros são proibidos e queimados, vivemos em uma sociedade que cada vez menos pessoas se interessam por eles. Esse livro me fez questionar se isso não é ainda pior.

Fernanda

Fahrenheit 451 não é um livro simples. Sua leitura progride devagar enquanto observamos o mundo do protagonista, um lugar onde a diversão e felicidade é valorizada acima de tudo e todos. No mundo de Fahrenheit 451 as pessoas estão anestesiadas pelo entretenimento.
Então acompanhamos a trajetória do protagonista ao questionar essa vida quando conhece alguém que era diferente dos demais. O livro me surpreendeu em diversos momentos: seja a profundidade de personagens secundários, seja sua ambientação fascinante explorando um futuro que mesmo imaginado por volta dos anos 50 nos parece terrivelmente real hoje em dia.

Luma

Talvez eu não devesse ter lido a sinopse ou ter visto o trailer porque me senti enganado por ambos. Antes de qualquer coisa esperava uma especie de A Menina Que Roubava livros, mas não chegou nem perto. Apesar de ter achado a premissa interessante, achei que faltou um pouco mais de aprofundamento nos personagens.

E é um tanto assustador ver que já vivemos um pouco da realidade desse livro considerado ser ficção, onde olhamos somente para o nosso umbigo e que educação já não é prioridade dos nossos governantes. Afinal de contas, pessoas cultas não se deixam trapacear facilmente. Encerro dizendo que o protagonista não chega nem aos pés do Beatty, o livro deveria ter sido sobre ele.

Sara

Imagine uma sociedade onde seus indivíduos estão tão anestesiados por remédios, tão influenciados pela televisão, uma sociedade onde os livros não são mais permitidos, onde são queimados por bombeiros (antes os que apagavam o fogo, agora os que o despertam), onde o torpor é o bem mais precioso.

Esse é o universo que encontramos em Fahrenheit 451, uma distopia primorosa da ficção científica que nos atenta para a alienação cada vez mais presente e pulsante em nós, 451 graus Fahrenheit é a temperatura necessária para que o papel fique em chamas e essa mesma chama é o nosso consciente ao final do livro, tão desperto para importantes questões.

 

Espero que tenham gostado e que estejam preparados para a nossa próxima leitura!

Meu Processo Criativo | Bullet Journal
18.06.2018

Oi gente! Hoje vim contar pra vocês um pouquinho sobre o meu processo criativo para construir o Bullet Journal mensal. Espero que entender um pouco sobre meu processo, inspire vocês, mas é importante lembrar que esse é o MEU jeito de fazer, hem? Não tem regras.

Tema

A primeira coisa é a escolha de um tema, que acho importante para eu determinar a paleta de cores e consequentemente organizar meu estojo para que fique somente os materiais que vou usar. Normalmente, o tema é algo que já está na minha cabeça, algum estimulo visual que tenha me interessado naquele mês.

Referencias

Com o tema definido corro para o insta, pinterest e youtube. Minha visão a respeito de referencias mudou bastante e sinto que depois disso minha visão criativa mudou 100%. Antes eu achava que se escolhesse o tema abacaxi, eu deveria pesquisar só desenhos de abacaxi e pronto. Mas aprendi a explorar mais o tema, buscar referencias em fotos, moda, filmes, entre outros. Pretendo falar mais sobre isso em outro post, mas acho que os moodboards são exemplos muito bons dessa fluidez.

Colocando as ideias no papel

É bem comum a gente consumir muita informação e ficar perdido. Então, eu pego um papel, de preferencia igual ao do caderno que uso para fazer o meu Bujo e começo rebiscar, testar as canetas (até mesmo para ver se a tinta passa pro outro lado, se faz sombra…), estudar o espaço, desenhar, enfim… É uma parte bem divertida e que funciona como um filtro.

Hora de agir

Depois de tudo isso, já tenho a ideia formada na minha cabeça e começo a passar pro meu caderno a lapis antes de passar a caneta e afins. Medrosa que chama.

 

Parece demorado e até um pouco complicado, mas juro que faço tudo, inclusive a parte do bullet journal em uma hora mais ou menos… Espero que vocês tenham gostado. Beijos e até a próxima.

 

Cachos Exuberantes – O Boticário: O Que Eu Achei?
13.06.2018

Cachos Exuberantes é a linha para cacheadas da Cuide-Se Bem. É a segunda vez que uso e já adiantando a resenha, é uma das minhas queridinhas.

Shampoo

A embalagem com 250 ml (R$19,90) cria bastante espuma e é muito hidratante, não cria todo aquele embaraço chato, sabe? Por ser muito cremoso, o shampoo não espalha muito bem, em prol de fazer meu produto durar mais eu até misturo um pouquinho de água. O perfume, apesar de agradável, é bem comum de shampoo mesmo.

Condicionador

Com a mesma quantidade do shampoo, o condicionador também segue o potencial hidratante. Senti que soltou bem meus cachos. A textura é bem satisfatória, não muito líquido, mas também não chega naquele ponto de pomada.

(R$ 21,90)

Leave In

Esse é, sem dúvidas, o meu produto favorito da linha. Meus cachos ficam definidos, comportados e super leves com um balanço controlado e perfume duradouro. A embalagem de 200g está R$ 26,90.

Bônus: Surf Spray

A embalagem de 20 ml de um produto aquoso é a única coisa que não recomendo dessa lista. Ele é um modelador que você aplica nos cabelos úmidos ou secos e amassa para modelar os cachos, funcionando como um laquê (tipo aquela textura de açúcar de algodão doce).

Odiei, fica duro, grudento e ainda fico com a sensação de ressecamento nos fios. O preço também não é muito atrativo:R$ 26,90. Mas justiça seja feita: é muito cheiroso.

 

Apesar de não ser liberado para No Poo/ Low Poo o site da marca diz que:

A embalagem é feita com plástico vegetal, derivado da cana de açúcar. Com isso, a cada quilo de plástico usado na fabricação da embalagem, evitamos a emissão de 4 kg de gases de efeito estufa.

Considerações finais

É a segunda vez que uso e continua cumprindo com o prometido que é realçar a curvatura dos cachos, reduzir o frizz, além de manter os fios hidratados e volume controlado. Não lembro os valores que paguei, mas os preços listados acima estão atualizados de acordo com o site. Recomendo, exceto pelo surf spray.

@lumanunesblog