Antes das Cinco Estante
Menu

Posso começar a resenha de Jogo de Espelhos falando palavrão?

Caralho.

Eu sou uma julgadora arrependida. Quando vi que a Cara Delevingne tinha escrito um livro, fiquei empolgada e curiosa, porém um pensamento ficou cutucando minha cabeça: será? Desconfio da capacidade das celebs escrevendo hahaha. Gosto bastante da Cara e foi só ler o prólogo para ter certeza de que sim, ela escreveu mesmo. Mas vale ressaltar que ela não o escreveu sozinha, a autora Rowan Coleman tem dez títulos já publicados e foi co-autora.

Eu tive certeza que queria o livro porque foi publicado pela Intrínseca (não tem erro) e pela sinopse. Olha só:

Naomi, Rose, Leo e Red são adolescentes enfrentando aquela fase em que se relacionar no colégio é tão difícil quanto encarar os próprios problemas. Red tem uma mãe alcoólatra e um pai ausente; o irmão de Leo está na prisão; Rose usa sexo e drogas para mascarar traumas antigos e Naomi se esconde atrás de peruca e maquiagem pesada. 
Quatro adolescentes tão diferentes viram melhores amigos quando são obrigados a formar uma banda. O que era uma tarefa chata vira a famosa e popular Mirror, Mirror. Através da música, eles encontram um caminho para encarar o mundo de outra forma. 
Mas tudo desmorona quando Naomi some misteriosamente e é encontrada, dias depois, entre a vida e a morte. O acidente desestrutura a banda e, consequentemente, a vida de todos. A sólida relação de amizade que eles achavam estar construindo tinha uma rachadura, e tudo o que restam são dúvidas e vazios. O que aconteceu com Naomi? Foi um acidente ou um ataque? Por que ela fugiria e deixaria a banda para trás? Por que esconderia segredos dos seus melhores amigos? Para desvendar o mistério por trás dessa história, Red e os amigos entram em uma investigação que vai desenterrar seus próprios segredos obscuros e fazê-los confrontar a diferença entre o que eles realmente são de verdade e a imagem que passam para o mundo.
Em seu romance de estreia, a modelo e atriz Cara Delevingne revela mais um talento ao apresentar um olhar fresco e sagaz sobre questões atuais da juventude: amizade, bullying, identidade, gênero, transtornos emocionais, a influência perigosa das mídias sociais nas relações e o poder destruidor da imagem.

O que eu sempre falo sobre personagens honestos, minha gente? Eu os amo. E aqui eu me apaixonei por cada um deles. Fui uma adolescente rebelde, sem causa mais fui. Sabe quando você se identifica com os personagens, mesmo que não tenha passado pelas mesmas situações? Caramba, esse povo poderia ter sido meus amigos de escola.

Cara abordou assuntos preocupantes: abandono familiar, estupro, violência, drogas, bullying, redes sociais, identidade de gênero… Tudo de uma forma extremamente verdadeira, porém dinâmica, sem deixar o livro pesado.

Teve um plot twist que até agora estou tentando me recuperar, sem sucesso. O livro é narrado por Red, personagem delicado e cativante. Amei tudo mesmo, o mistério, as resoluções… Só o final que achei um pouco corrido, mas eu já tava tão envolvida que não foi problema nenhum.

Vi muitas resenhas dizendo que é um livro sobre adolescentes para adultos, mas discordo. Precisamos falar abertamente sobre as coisas para que elas deixem de ser um problema.

A maioria das pessoas ficou incomodada com o nome da Cara tão grande na capa, mas eu fiquei super de boa. Gostei muito mesmo e fui surpreendida.

Jogo de Espelhos

Autor: Cara Delevingne e Rowan Coleman

Ano: 2017

Número de Páginas: 304

Editora: Intrínseca

Minha nota: ?????

 

Trechos

Será que ainda gostariam de mim se soubessem tudo a meu respeito, tudo o que eu penso, tudo o que eu desejo?

É você quem decide o que é normal.

É aqui que a vida acontece. Nas coisas que são deixadas para trás.

Sou uma onda, pensei. Mesmo desmoronando, continuo forte.

Mas a verdade é que Rose quer ficar sob os holofotes porque tem medo do escuro. Ela quer todas as atenções, porque tem medo de ficar sozinha. Ela quer ser querida por todos porque, às vezes, lá no fundo ela se odeia.

O problema da Rose é que ela é muito mais frágil do que parece, e às vezes, só às vezes, acho que ela na verdade se esforça para ser magoada.

Voltamos com a programação Oscar <3 Dunkirk foi o primeiro filme que assisti, na época eu não sabia que ele ia concorrer e sim, fui assistir por causa do Harry Styles and Thomas Hardy.

O filme foi filmado sob três perspectivas: terra, mar e ar. Conta a história de quatro mil soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França que ficaram cercados pelos alemães na Segunda Guerra Mundial em Dunquerque e aguardam resgate no meio da guerra.

Terra

O conflito em terra foca em três personagens: Tommy, que depois de escapar de um ataque alemão nas ruas de Dunquerque consegue chegar a praia onde conhece Gibson. Juntos eles fazem tentativas frustradas de serem evacuados com os soldados feridos em navios. Em uma dessas tentativas, eles se juntam ao Alex (meu Harry Styles). E o resto é história, não posso revelar muito por motivos de spoiler.

Mar

Enquanto os soldados tentam fugir a qualquer custo, no mar, vários barcos particulares são requisitados para ajudar na evacuação. Aqui conhecemos o Sr. Dawson, que ao invés de entregar o barco para a marinha, decide ir ele mesmo, junto com seu filho Peter e seu amigo Charles. No meio do caminho, eles resgatam do meio de destroços de um navio um soldado traumatizado. E o resto, vocês sabem, é história.

Ar

No ar, três pilotos sobrevoam o canal da mancha, com o objetivo de dar assistência aérea para os soldados de Dunquerque. Só que o medidor de combustível de um deles quebra, mesmo assim ele continua firme no proposito de destruir um avião inimigo.

Enfim. É difícil falar assim porque são muitos detalhes. É um filme extremamente visual, fotografia impecável, muito linda mesmo e os sons, uau! Sai do cinema muito impressionada com a produção. Pouquíssimos diálogos (muito pouco mesmo), o que deixa o filme ainda mais genial. Todos os personagens tem uma sede muito bonita pelo heroísmo, fiquei bastante emocionada.

Meu Harry Styles foi maravilhoso e Tom Hardy, Tom Hardy, né mores? O filme foi dirigido por um dos meus diretores favoritos: Christopher Nolan, ele é a mente brilhante por trás de alguns filmes do Batman (sim, o do Coringa do Heath Ledger, inclusive), A Origem, Interstellar e outros filmes fodas.

Ficha Técnica

Título Original: Dunkirk

Distribuidor: Warner Bros

Ano De Produção: 2017

Tipo De Filme: Longa-Metragem

Nota IMDB: 8,1 / 10

Minha Nota: 10 / 10

 

Leituras de Fevereiro

Achei minhas escolhas do mês bem maduras (até mesmo Harry Potter).

♥ É Assim Que Acaba

É o livro que mais quero ler, mas não posso jurar de pé junto que vou ler em fevereiro por motivos de não tê-lo em mãos. Mas eu o quero desde sempre, porém até mesmo no Kindle estava caro pra caramba.  É um romance forte que fala sobre violência doméstica.

Veja a capa e a sinopse aqui.

♥ O Conto da Aia

Conheci a série antes do livro, assisti só um episodio e achei bem foda. Nunca imaginei que fosse me interessar por essa leitura, mas folheei e fiquei maluca.

Veja a capa e a sinopse aqui.

♥ Como Fazer Amigos E Influenciar Pessoas

Comecei esse livro ano passado e quero muito terminar, principalmente porque participei de uma palestra e me senti motivada.

Veja a capa e a sinopse aqui.

♥ Harry Potter e a Câmara Secreta

Seguindo meu próprio projeto de ler Harry esse ano.

Veja a capa e a sinopse aqui.

♥ Bônus: O Ódio Que Você Semeia

Uma história juvenil repleta de choques de realidade. Um livro necessário em tempos tão cruéis e extremos.

Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos – no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início.
Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa.

Eu quis colocar parte da sinopse aqui pra vocês entenderem o que acontece e porque essa é uma leitura tão poderosa.

Veja mais detalhes aqui.

 

Resumo Janeiro

Minhas leituras de janeiro foram bem satisfatórias. Porém não cumpri 100% com o cronograma.

♥ Harry Potter e a Pedra Filosofal 

Harry é sempre 5 / 5 né, gente!? O bruxinho tem vaga vitalicia no meu coração. Tem gente que até hoje não leu, eu sempre fico chocada hahaha

resenha

 

♥ Tartarugas Até Lá Embaixo

Minha segunda leitura do mês foi especial por um motivo muito legal. Não foi um livro que eu dei uma super nota (3/5), mas que de certa forma me conquistou, principalmente por causa da protagonista. ENFIM! O fato é que eu “esqueci” essa belezura em um supermercado pra um estranho achar <3

resenha

 

♥ Jogo de Espelhos

Amei esse livro, sério! Mas resenha que é bom, só dia 11 (venho deixar o link).

 

 

♥ Me Chame Pelo Seu Nome

Esse eu li no lugar de A Força Que Nos Atrai. (Já vou dar 10/10). Resenha dia 18, venho deixar o link. Foi o único livro que comprei (estou orgulhosa!)

 

♥ A Força Que Nos Atrai

Não li manas,  mas fiz uma substituição ma-ra-vi-lho-sa pra compensar <3

 

♥ Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas

O plano era só terminar, mas não deu tempo.

 

Gostaram? <3

Beijos e até a próxima.

Gente, preciso compartilhar essa sensação com vocês. Eu me sinto super segura pra fazer resenhas literárias, mas tenho um certo bloqueio pra falar de filmes hahaha. Não sei porque, acho os cinéfilos pomposos com suas críticas bem elaborados que simplesmente falar: o filme é maravilhoso, amei. Parece uma afronta.

Dito isso, amei Me Chame Pelo Seu Nome e queria poder falar isso pra vocês, por isso acabei comprando o livro pra fazer uma resenha literária e falar com mais propriedade! Mas quer saber? Vou superar esse medo e falar do meu jeito.

Me Chame Pelo Seu Nome

Elio tem 17 anos e passa o preguiçoso verão de 83 na casa de seus pais na Itália. Todos os anos, o pai, um intelectual, recebe em casa um estagiário que por seis semanas o ajuda com algumas tarefas. Naquele ano é a vez do americano Oliver, um charmoso pesquisador de 24 anos, fazendo com que Elio descubra novos sentimentos.

Me Chame Pelo Seu Nome é um filme lindo, não apenas pela a história cativante, mas pelo cenário solar e limpo. Estou acostumada ver filmes com temática LGBT com uma luz completamente sombria e dessa vez fui surpreendida com uma leveza pura e honesta.

Elio e Oliver

Eu nunca tinha ouvido falar no Timothée Chalamet (Elio), mas quero muito ficar de olho a partir de agora, ele é muito natural! E tem uma sensualidade intrínseca e magnética. Quanto ao Armie Hammer (Oliver), provou que vai muito além de um rosto bonito.

Adorei, ambos protagonistas são carismáticos. Gostei do jeito descolado, ainda que tímido do Elio e da arrogância dramática do Oliver.

A Itália é sempre um cenário de tirar o fôlego. Muitas vezes, senti aquele calor preguiçoso do verão atravessar a tela e chegar até em mim, senti o gosto da fruta do pomar e o aconchego de uma das minhas cenas favoritas: a mãe de Elio, uma tradutora brilhante, lendo um livros para ele e o pai em uma tarde chuvosa.

Me senti seduzida e experimentei sensações sutis e saborosas.

Para quem está curioso em relação ao titulo “Me Chame Pelo Seu Nome” é uma forma de Elio e Oliver dizerem eu te amoElio chama Oliver de Elio e Oliver chama Elio De Oliver. Como se fossem um só. *suspiros*

Oliver: Me chame pelo seu nome e eu o chamarei pelo meu.

O filme concorreu ao Globo de Ouro como melhor drama e estou torcendo pra entrar na lista do Oscar (sai amanhã!).

Se você ainda não se convenceu, aqui vai minha ultima tentativa: o filme foi produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira. Vai BR!

Ficha Técnica

Título Original: Call Me By Your Name

Distribuidor: Sony Pictures

Ano De Produção: 2017

Tipo De Filme: Longa-Metragem

Nota IMDB: 8,3 / 10

Minha Nota: 10 / 10

Gostaram gente, posso investir nessa carreira? Haha

Beijos e até a próxima.

Oi gente. Essa é a primeira resenha do ano e quero dizer que é um sincerão daqueles, ahhhh e leiam até o final porque tem uma surpresa . Tartarugas Até Lá Embaixo foi escrito pelo John Green, que é um autor que, no geral, eu gosto bastante. Ele ficou seis anos sem publicar e a primeira coisa que me fez ficar com o pé atrás em relação a essa leitura foi o fato de ele ter falado no twitter que tava com bloqueio e não sei mais lá o que e de repente me aparece com esse livro, mas ok, vida que seguiu.

A sinopse me chamou bastante atenção e eu vou deixar aqui para vocês entenderem um pouco mais da minha frustração:

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.

A Aza é sim uma protagonista 10/10. Pensa numa personagem bem trabalhada, até mesmo porque ela foi meio que autobiográfica, já que o próprio JG sofre com TOC e ansiedade. Ele conseguiu passar para o leitor o sofrimento que é a doença, achei mesmo sensacional.

Parte da minha frustração vem dai: uma personagem foda, com um enredo fraco. Eu me senti enganada pela sinopse. Esperei um livro com mais suspense e ação, mas o enredo do tal bilionário desaparecido é só ladainha, um enche linguiça.

Resolvi deixar de lado o tema e tentar focar nas relações. Mas os diálogos da Aza com Davis (o mocinho) foram enfadonhos. Resolvi explorar mais a melhor amiga, mas argh, irritante. E os outros personagens foram realmente coadjuvantes fajutos.

Gostei do final, por isso,achei desnecessárias as 200 páginas anteriores.

Sorry not sorry.

Tartarugas Até Lá Embaixo

Autor: John Green

Ano: 2017

Número de Páginas: 256

Editora: Intrínseca

Minha nota: ? ? ?

P.S.: A nota do livro no Goodreads e no Skoob é muito boa, então talvez a escrota seja eu.

Trechos

A vida é uma história que contam sobre nós, não uma história que escolhemos contar.

A gente acha que é pintor, mas é a tela.

Parta corações, mas não quebre promessas.

Qualquer um pode olhar para você, mas é muito raro encontrar quem veja o mesmo mundo que o seu.

O verdadeiro terror não é ter medo, é não ter escolha senão senti-lo.

A vida é uma sequência de escolhas entre incertezas.

Estar vulnerável é pedir para ser usado.

Somos tanto o fogo quanto a água que o extingue. Somos o narrador, o protagonista e o coadjuvante, O contador da história e a história em sim. Somos alguma coisa de alguém, mas também o nosso eu.

Ao escrever, perceberia que amar não é ma tragédia ou um fracasso, mas um presente.

 

SURPRESA! Até o dia 31 eu vou “esquecer” meu exemplar em algum lugar de Palmas. Será quem vai encontrar?

Oi oi! Gente, tô querendo muito falar sobre Por Trás De Seus Olhos com vocês, mas é aquela coisa, né?

Não dá pra falar muito sem entregar a trama, vou tentar ser sucinta e ainda despertar a curiosidade de vocês. Sério, você PRECISAM levar esse tiro junto comigo.

Uma das narradoras é Adele, ela é linda, jovem e casada com o psiquiatra David. Quando Adele era adolescente seus pais morreram em um triste incêndio e ela sofre desde então com distúrbios de sono.

Isso faz com que David prescreva remédios para a esposa e a coloque em constante vigilância. No livro, vemos o cotidiano de Adele e vislumbres do seu passado.

A outra narradora é Louise, mãe do pequeno Adam. Ela leva uma vida rotineira desde que o marido a traiu e a trocou pela amante.

Em uma noite, ela encontra um homem interessante no bar, eles se beijam, mas logo ele a afasta, apenas para descobrir no dia seguinte que ele é o psiquiatra que atende no seu novo emprego.

A história se desenrola de modo que Louise se envolve com David ao passo que cria um forte laço com Adele, graças uma coisa em comum: os terrores noturnos.

Minha gente… Eu demorei um pouco para entrar na história, mas depois que peguei o ritmo, rapaz… Fui entender o que estava acontecendo faltando cem páginas para acabar. Achei interessante, mas quando tava faltando três páginas, eu levei o maior tombo do universo (sério, chega me tremo toda só de lembrar). QUE FINAL MARAVILHOSO.

Eu pensei várias coisas para justificar as atitudes das protagonistas, mas não cheguei nem perto. Se você gosta de histórias bem realistas talvez se incomode um pouco, eu adorei a criatividade e a forma como tudo fugiu do clichê.

A capa é muito bonita e até fugindo um pouco da resenha, os livros da Intrínseca são muito cheirosos (sim!).

“Três pessoas podem guardar um segredo, se duas delas estiverem mortas” – Benjamin Franklin

 

Por Trás De Seus Olhos

Sarah Pinborough

Ano: 2017

Páginas: 352

Editora: Intrínseca

Minha nota: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ 

Oi gente! Olha só que capa fotogênica! Diário em Tópicos é um guia maravilhoso sobre Bullet Journal.

Vou dividir essa resenha em duas partes, a primeira será para iniciantes e a segunda para os que já estão na estrada. Acho que a leitura tem utilidades diferentes para cada tipo de leitor.

Ah e se vocês puderem ler até o final, vou ficar muito feliz pois tenho uma novidade (e um convite super legal) para contar.

A diagramação é impecável. A capa maravilhosa não é dura, mas é mais durinha que as convencionais e vem com uma fitinha de cetim para marcar as páginas. As folhas são coloridas e ilustradas com uma paleta de cores pastéis de tirar o fôlego.

 

Iniciantes

Primeiro, calma! Respira fundo… Preparados? Acho que esse é o livro mais completo que você vai encontrar sobre o assunto, pois engloba desde os primeiros passos básicos até ideias para você incrementar o seu diário.

No começo, você pode ficar confuso, perdido e até mesmo desmotivado com seu Bullet Journal, mas entenda que é perfeitamente normal, mesmo com esse guia em mãos. O Bujo é um eterno erra e acerta, há tentativas frustradas e as que viram sucesso, não se apresse, você consegue.

Aconselho fazer a leitura calmamente, observando bem as imagens, pois o livro cita muitos exemplos da mesma coisa e você pode ficar confuso. O importante é você fazer as coisas no seu tempo.

As páginas são lindas, bem explicadas e há ilustrações como exemplo por toda a parte. Diário em Tópicos vai te ajudar a descobrir um pouco mais sobre si mesmo, é testando que você aprende o que funciona ou não pra você.

 

Amantes de longa data

O livro é sem dúvida nenhuma maravilhoso e pode ajudar com a criatividade e inspiração para novos trackers, por exemplo. Só não espere encontrar algo muito revolucionário, provavelmente você já viu o que está escrito no livro em outros lugares. O legal é que ensina várias formas diferentes de fazer as coisas, eu me senti bem inspirada.

É uma aquisição que vale a pena para aqueles momentos que sua criatividade vai passear, sabe? E é um ótimo guia inspirador, eu mesma fui contagiada.

 

EDITADO!

Novidade

A novidade que eu queria contar é que dia 27 de agosto às 16h,eu vou estar na Leitura Palmas falando um pouco sobre a minha caminhada com o Bullet Journal, dando dicas e tirando dúvidas, além de brincar um pouquinho de Lettering. Além disso, haverão sorteios de mimos muito bacanas! E ai, vamos?

Ouvi falar de O Sorriso Da Hiena porque um tempo atrás o livro explodiu, pra todo lugar que eu ia, ele estava: insta, face, youtube… A maioria das críticas para ele são ótimas e como eu já estou sob o encanto do Raphael Montes, fiquei bastante animada por ter outro brasileiro seguindo esse caminho e sendo bem-sucedido.

Fiquei bastante animada no começo com a cena chocante que me foi apresentada. David tinha apenas oito anos quando presenciou o assassinato brutal de seus pais, a mãe levou um tiro na cabeça e o pai teve a língua arrancada com um alicate. Vinte e quatro anos depois, David inicia sua própria missão com a ajuda do renomado e inquieto psicólogo William. Ele almeja descobrir o quão impactante foi para sua personalidade ter assistido a morte dos pais, por isso escolhe cinco crianças com diferentes tipos de vida para assistir os pais serem assassinados, assim como aconteceu com ele.

William leva um vida pacata, mas anda incomodado com o rumo que sua carreira está seguindo. Depois de ter publicado uma tese de doutorado sobre as possíveis consequências de acontecimentos traumáticos na vida de crianças que lhe rendeu reconhecimento na psicologia infantil, ele sente falta de ver como esse estudo funciona na prática. A proposta que aparece em seu e-mail o deixa inquieto, pois tratá-se de uma oportunidade para fazer um estudo que pode ajudar entender o desenvolvimento da maldade humana, de maneira significativa longe de hipóteses e teorias, com casos reais.

E atrás de tudo isso, um personagem muito interessante, o detetive com síndrome de Aspenger Arthur.

É possível justificar o mal quando há a intenção de fazer o bem?

Eu fiquei pensando se eu queria escrever essa resenha porque nossa, não sei! Todo mundo falou bem horrores e acontece que eu não concordei tanto assim, tipo achei que faltou umas coisas e olha que eu não sou muito de dar atenção para Ficção X Realidade que é a reclamação que mais vi sobre cenas que fugiram muito da realidade, a verdade é que o livro é legal porém superficial.

“A maioria das pessoas acha que aquele som é uma risada, mas os pesquisadores chegaram à conclusão de que hienas de menor posição hierárquica no grupo, hienas dominadas, hienas frustradas, emitiam mais alto esse som que parece uma “risada”. Às vezes damos a impressão de que gostamos de alguma coisa, quando na verdade só estamos com medo, com dor, com fome. Não tem nada de engraçado em ser um animal carniceiro que que alimenta do que sobrou dos mortos.”

O primeiro fato que me incomodou foi a total ausência de pudor do William. Alooou querido, por mais que você queira fazer seu trabalhinho lá bonitinho, você deveria levar em consideração que crianças estão ali sofrendo, nem de primeiro impulso o cara se atentou a isso, por mais que essa fosse a discussão principal do livro, achei que ele podia ter trabalhado mais no dilema…

O David é um personagem que, né? Senti falta de conhecer mais sobre o assassino, gente! O que a gente sabe sobre ele é basicamente isso: ele viu os mais serem assassinados, se considera um monstro e mata pais de crianças de oito anos… E por falar em crianças, queria tanto mais detalhes sobre elas, sobre a terapia e tudo mais 🙁

O detetive Arthur foi o que mais agradou (a amiga dele Bete também, mas ele aparece tão pouquinho que não vale a citação…) Porém, apesar de já ter convivido com um pessoa com síndrome de Aspenger, sempre acho difícil julgar se essas coisas são compatíveis com a realidade, mas o fato é que eu gostei, apesar de depois começar achar ele um personagem até demais, caricatinho, sabe?

“– O mal nada mais é do que um buraco que quer desesperadamente ser preenchido, detetive.”

Eu gostei do livro, porém acho que o escritor tinha um material muito bom que foi pouco explorado, entende? Se ele lançar outro trabalho, quero muito ler pois sinto que ele tem bastante potencial e criatividade.

Ficha do Livro

Título: O Sorriso da Hiena

Autor: Gustavo Ávila

Editora: Verus

Número de páginas: 266 páginas

Minha nota: ♥♥♥♥

Oi oi oi! Vamos de nacional dessa vez: Mentira Perfeita. Esse é o primeiro livro que leio da escritora e é um spin-off de Procura-se Um Marido. Antes de começar, devo dizer que amei a escrita da Carina Rissi. Ela faz parte do time que veio pra provar que temos escritores contemporâneos excelentes no nosso país.

A tia Berê está com a vida por um fio, e Júlia não quer que a tia se preocupe com nada. A única coisa com qual a tia Berê se preocupa é com o fato de a sobrinha não ter um namorado. Júlia acaba inventando um namoro digno dos melhores livros de romance, mas ninguém esperava que a tia Berê fosse levar isso tão a sério.

Marcus é uma cara que leva a vida tranquilamente, depois de um acidente que tirou o movimento de suas pernas,ele deixa seus sonhos em suspenso e foca em fisioterapia para conseguir voltar a andar e seguir com sua vida normalmente.

Enquanto isso não acontece, ele decide que precisa ser independente  e pretende se mudar do apartamento em que mora com o irmão. Isso causa um alvoroço na família Cassani, que só concordará com a decisão do caçula se ele encontrar um cuidador para auxiliá-lo.

Júlia precisa de um noivo fake e Marcus de uma cuidadora fake, é só juntar 2 e 2  e nossa história está montada.

 

Eu achei a construção do romance muito boa, porém achei o livro desnecessariamente longo. A nota 4 é porque pra tudo o que eu achei bom, logo em seguida vem um mas, sabe?

Achei algumas cenas repentinas, daquelas que você tá lendo despreocupadamente e de repente não entende o que ta acontecendo e isso me incomodou.

Gostei bastante do Marcus, o fato de ele ser cadeirante foi bem construído e pesquisado e ele tem um carisma muito bom. A Julia é meio pamonhinha, mas gostei dela também e até chorei quando o fato de ela sentir necessidade de ser boa em tudo foi exposto pelo seu melhor amigo Denis. A Tia berê é uma figura, acho que não existe ninguém da vida real tão arteira igual essa senhora divertida, mas ok.

 

Deu pra perceber que a Carina é bem maluquinha, ela escreve despreocupadamente e isso é o tempero da história. Gostei bastante.

Ficha do Livro

Título: Mentira Perfeita

Autor: Carina Rissi

Editora: Verus

Número de páginas: 462 páginas

♥ Minha nota para o livro: 4 / 5 estrelas

Gente, vou começar a resenha de A Química Que Há Entre Nós citando um fato: Eu AMEI essa leitura.

Havia um alvoroço na internet em volta desse livro de capa linda, mas de cara não me chamou atenção. Quando chegou na loja comecei ler despretensiosamente e BOOM! Sabe quando o livro te pega na primeira página? Mágico demais.

 

Em A Química Que Há Entre Nós, Grace Town é uma garota pra lá de esquisita. Ela usa roupas de garoto, parece estar sempre suja e carrega sua bengala pra cima e pra baixo, além de fazer perguntas nada convencionais.

Henry Page é o completo oposto E EU AMEI ESSE GAROTO. Seu humor auto-depreciativo e sarcástico fez com que eu me apaixonasse por ele na hora. E ele foi tão honesto a respeito de tudo e fiel aos seus sentimentos que não teve como deixar pra lá.

Ele não tem medo de correr riscos, mesmo sabendo que o romance está fadado ao fracasso e que tudo é confuso em relação a Grace Town, ele permite se jogar de cabeça.

 

Eu gostei de TODOS os personagens, eles estavam em uma vibe muito boa.

Grace não pede desculpas por ser quem ela é, embora na maioria das vezes tenha sido cruel.Você sente vontade de pegá-la e dar um abraço bem apertado. Ela é incrivelmente inteligente e seu senso de humor ácido faz com que eu a queira como amiga.

Às vezes a gente fica triste pelas atitudes que ela toma. Não a enxerguei como uma pessoa má, e sim como uma pessoa ferida que estava tentando se salvar.

Henry é um herói totalmente as avessas. Eu adorei cada idiotice e cada um dos seus pensamentos.

Engraçado que os motivos que me levaram a amar Henry Page são o extremo oposto dos que me levaram a amar Grace Town e deu certo.

 

Os melhores amigos de Henry, Lola e Munray são geniais! Meu Deus! E a família? Socorro, realmente não posso continuar falando sobre. Mas te garanto que é um livro triste, romântico, dramático e engraçado, tudo ao mesmo tempo.

 

 

Ficha do Livro

Título: A Química Que Há Entre Nós

Autor: Krystal Sutherland

Editora: GloboAlt

Número de páginas: 272 páginas

♥ Minha nota para o livro: 5 / 5 estrelas

tags:

@blogantesdascinco