Antes das Cinco » Arquivos Me Chame Pelo Seu Nome - Antes das Cinco
Menu

Pensei que não seria necessário fazer a resenha da leitura de Me Chame Pelo Seu Nome, visto que já falei do filme aqui. Mas se fez necessário porque se eu adorei o filme, amei 800% mais o livro que é poesia pura.

É incrível como a leitura é mais magnifica que o visual. Tem tanta coisa sobre o Elio que eu não fazia ideia… Mais uma vez essa história pinicou minha pele e aguçou meus sentidos. Elio é intenso, seu desejo era desesperador, louco, apaixonante…

Eu amei cada angustia e ansiedade, sem dúvidas, um personagem inteligente e lindo, o escritor trabalhou tão bem todas as fases, desde o desejo, passando pela dúvida, o arrependimento, o amor… Eu me senti uma adolescente me apaixonando junto no decorrer da história.

Oliver… Oliver, tão centrado e contido que se deixa levar, coisa mais linda, humor acido, dramático <3

E o cenário! Você com certeza vai sentir todas as sensação da Itália dos anos 80. Desde o calor do verão atéo cheiro do pomar. Um experiência sensorial muito bacana.

Gente, sério! Vocês precisam mesmo ler esse hino de livro, é tudo e mais um pouco: apaixonante e sensual.

Me Chame Pelo Seu Nome

Autor: André Aciman

Ano: 2018

Número de Páginas: 288

Editora: Intrínseca

Minha nota: ?????

Trechos

Você vê a pessoa, mas não a enxerga de verdade, ela simplesmente está por ali. E você fica lutando para aceitar algo que, sem que você soubesse, vinha ganhando forma bem debaixo do seu nariz, trazendo consigo todos os sintomas daquilo que só pode ser chamado de desejo. Como eu não percebi? Sei reconhecer o desejo. Desta vez, no entanto, tinha passado completamente despercebido. Tudo o que eu queria era pele, apenas pele.

Não fomos escritos para um único instrumento; eu não fui, nem você.

Existe uma lei em algum lugar que diz que, quando uma pessoa está completamente apaixonada pela outra, a outra deve inevitavelmente se apaixonar também.

Se não depois, quando?

Às vezes a única maneira de entender um artista é se colocar no lugar dele, estar dentro dele. Então todo o resto flui naturalmente.

É melhor falar ou morrer?

Se ele soubesse, se ao menos soubesse que eu estava dando todas as oportunidades para que ele somasse dois e dois e chegasse a um número maior que o infinito.

Quando a noite se esparramar no céu, conte histórias de pessoas inquietas que sempre acabam sozinhas e odeiam estar sozinhas porque é a sim mesmos que não suportam…

As pessoas que leem se escondem. Escondem quem são. Pessoas que se escondem nem sempre gostam de quem são.

Amei o igualitarismo do momento.

Me chame pelo seu nome e eu vou chamar você pelo meu.

E se a mesma pessoa que causa nosso tormento ao amanhecer é quem o alivia à noite?

Um coração e uma camisa. O coração dele enrolado em uma camisa úmida – como o peixe de Anchise.

Se houver dor, cuide dela, e se houver chama, não a apague, não seja bruto com ela. Arrancamos tanto de nós mesmos para nos curarmos das coisas mais rápido do que deveríamos, que declaramos falência antes mesmo dos trinta e temos menos a oferecer a cada vez que iniciamos algo com alguém novo. A abstinência pode ser uma coisa terrível quando não nos deixa dormir à noite, e ver que as pessoas nos esqueceram antes do que gostaríamos de ser esquecidos não é uma sensação melhor. Mas não sentir nada para não sentir coisa alguma… que desperdício!

Encontramos as estrelas, você e eu. E isso só acontece uma vez na vida.

 

Quer comprar livros com desconto? É só clicar nesse cupom 😉

Deixe seu comentário


@blogantesdascinco