Tartarugas Até Lá Embaixo
15.01.2018

Oi gente. Essa é a primeira resenha do ano e quero dizer que é um sincerão daqueles, ahhhh e leiam até o final porque tem uma surpresa . Tartarugas Até Lá Embaixo foi escrito pelo John Green, que é um autor que, no geral, eu gosto bastante. Ele ficou seis anos sem publicar e a primeira coisa que me fez ficar com o pé atrás em relação a essa leitura foi o fato de ele ter falado no twitter que tava com bloqueio e não sei mais lá o que e de repente me aparece com esse livro, mas ok, vida que seguiu.

A sinopse me chamou bastante atenção e eu vou deixar aqui para vocês entenderem um pouco mais da minha frustração:

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.

A Aza é sim uma protagonista 10/10. Pensa numa personagem bem trabalhada, até mesmo porque ela foi meio que autobiográfica, já que o próprio JG sofre com TOC e ansiedade. Ele conseguiu passar para o leitor o sofrimento que é a doença, achei mesmo sensacional.

Parte da minha frustração vem dai: uma personagem foda, com um enredo fraco. Eu me senti enganada pela sinopse. Esperei um livro com mais suspense e ação, mas o enredo do tal bilionário desaparecido é só ladainha, um enche linguiça.

Resolvi deixar de lado o tema e tentar focar nas relações. Mas os diálogos da Aza com Davis (o mocinho) foram enfadonhos. Resolvi explorar mais a melhor amiga, mas argh, irritante. E os outros personagens foram realmente coadjuvantes fajutos.

Gostei do final, por isso,achei desnecessárias as 200 páginas anteriores.

Sorry not sorry.

Tartarugas Até Lá Embaixo

Autor: John Green

Ano: 2017

Número de Páginas: 256

Editora: Intrínseca

Minha nota: ? ? ?

P.S.: A nota do livro no Goodreads e no Skoob é muito boa, então talvez a escrota seja eu.

Trechos

A vida é uma história que contam sobre nós, não uma história que escolhemos contar.

A gente acha que é pintor, mas é a tela.

Parta corações, mas não quebre promessas.

Qualquer um pode olhar para você, mas é muito raro encontrar quem veja o mesmo mundo que o seu.

O verdadeiro terror não é ter medo, é não ter escolha senão senti-lo.

A vida é uma sequência de escolhas entre incertezas.

Estar vulnerável é pedir para ser usado.

Somos tanto o fogo quanto a água que o extingue. Somos o narrador, o protagonista e o coadjuvante, O contador da história e a história em sim. Somos alguma coisa de alguém, mas também o nosso eu.

Ao escrever, perceberia que amar não é ma tragédia ou um fracasso, mas um presente.

 

SURPRESA! Até o dia 31 eu vou “esquecer” meu exemplar em algum lugar de Palmas. Será quem vai encontrar?

1 comentário

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

@lumanunesblog